Home    Fale Conosco  

 

POÇOS DE CALDAS     |    ALFENAS    |     MACHADO     |     POUSO ALEGRE     |     SERRANIA     |     VARGINHA     |     PÁGINA PRINCIPAL
NOTÍCIAS: Saúde & Beleza      Ação Social      Política      Polícia      Geral      Economia      Esporte      Cultura         Buscar:
Minas Acontece - Vagas temporárias de fim de ano caem 60% em Poços de Caldas, MG


Vagas temporárias de fim de ano caem 60% em Poços de Caldas, MG
10/12/2016
compartilhe:

Cidade registra menos de mil ofertas, número bem inferior a 2015. Varginha e Pouso Alegre tiveram redução de 50% de vagas neste ano.

Está mais difícil conseguir um emprego temporário neste fim de ano. Em Poços de Caldas (MG), o comércio é o setor que mais emprega, mas as tradicionais vagas temporárias que surgiam nesta época caíram em torno de 60%. Situação que, segundo a Associação Comercial Industrial e Agropecuária de Poços de Caldas (ACIA), é reflexo da recessão que atinge diretamente o setor.


Os dados divulgados pela ACIA mostram que entre os anos de 2012 e 2014 eram 2,5 mil trabalhadores temporários no comércio da cidade. No ano passado, esse número caiu para 2 mil vagas e neste ano são menos de 1 mil ofertadas. Queda que preocupa a ACIA, já que segundo a associação, o município sempre foi o que mais criou vagas temporárias em toda a região.

“Nós temos observado que lojas chamadas grandes, as magazines, que contratavam 20, esse ano contrataram menos de 10. As lojas médias que contratavam 6 ou 7, contrataram 3. E as lojas pequenas que, às vezes contratavam 3 ou 4, neste ano contrataram apenas 1. É o reflexo, exatamente, dessa crise econômica e do ano fraquíssimo que foi de vendas em Poços de Caldas, até o início de outubro, quando deu uma pequena reação de lá para cá. A gente espera que agora com a chegada do fim do ano venha trazer essa recuperação de fato”, explicou José Paulo Oliveira, assessor da Acia.

Realidade que vem deixando ainda mais difícil a vida de quem está em busca de um emprego. “O ano passado foi bem mais fácil, esse ano está complicado para arrumar serviço. Não acha de jeito nenhum. A gente vai aos lugares e nada. Está complicado”, disse a estudante Isabela dos Santos, de 19 anos

Quem emprega também está preocupado. O comerciante Hamilton Loiola Júnior, por exemplo, disse que recebe uma pilha de currículos todos os dias, mas reduziu o número de vendedoras temporárias pela metade em comparação com o ano passado.

“A gente seguiu um planejamento baseado no que a gente fez no ano de 2015. Ao começar o ano a gente cortou funcionários e seguiu mais ou menos o que a gente tinha para o final de ano. Então, se eu cortei 40%, por exemplo, eu fiz uma reposição de 20%. Infelizmente tem que entender que a crise está ai e, baseado no que a gente viu nos meses anteriores, eu diria para você que é complicado arriscar”, explicou o comerciante.

Varginha e Pouso Alegre

De acordo com a Unidade de Atendimento Integrado (UAI), em Varginha (MG), a oferta de vagas diminuiu cerca de 50% em relação ao ano passado. Atualmente são seis vagas na cidade para a área de alimentação. Já em Pouso Alegre (MG), a oferta de cargos temporários também caiu pela metade. No município, apenas, seis vagas temporárias estão sendo ofertadas neste fim de ano

height=375

Fonte:http://g1.globo.com/mg/sul-de-minas/noticia/2016/12/vagas-temporarias-de-fim-de-ano-caem-60-em-pocos-de-caldas-mg.html



compartilhe:




Comentários:







 

NOTÍCIAS: Saúde & Beleza      Ação Social      Política      Polícia      Geral      Economia      Esporte      Cultura        




Todos direitos reservados.